expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 20 de junho de 2011

O valor de uma BOA mochila


Quanto pesa sua vida?
  Imagine por um segundo que está carregando uma mochila. Quero que sinta as alças nos ombros, você as sente? Agora coloque lá todas as coisas da sua vida, comece com as pequenas: coisas de prateleiras e gavetas, as bugigangas, os colecionaveis. Sinta o peso de tudo que foi adicionado. Em seguida adicione as coisas maiores: roupas, eletrodomesticos, lençóis, lâmpadas...sua TV. A essa altura, a sua mochila deve estar bem pesada e ficará mais. Sofá, cama, mesa da cozinha...tudo que estiver lá. Seu carro, coloque-o lá. Sua casa, seja um apartamento ou uma casa de 2 andares, quero que coloque naquela mochila. Agora, tente andar. É bem difícil, não é?! É isso que fazemos todos os dias. Nos envergamos com tanto peso até não conseguir nos mover e não se enganem: MOVIMENTO É VIDA. Agora, vou incendiar sua mochila, o que quer retirar dela? Foto? Fotos são para quem não se pode lembrar. Tome um memorizador e deixe as fotos queimarem. Na verdade deixe tudo queimar e se imagine acordando amanhã...sem nada. É bem tentador, não é?!
 Você tem uma nova mochila. Só que desta vez, quero que coloque pessoas nela. Comece com alguns conhecidos casuais, amigos de amigos, pessoas do escritório. E ai, passe as pessoas de confiança com os seus segredos mais íntimos...seus primos, tias, tios, suas irmãs, irmãos, pais, e finalmente, seu marido ou esposa, seu namorado ou namorada. Coloque-os dentro dessa mochila. Não se preocupem, não vou pedir para que ateiem fogo. Sinta o peso da mochila. Não se engane, seus relacionamentos são os maiores componentes em sua vida. Você sente as alças cortando seus ombros? Todas essas negociações e discussões, segredos e compromissos. Você não precisa carregar todo esse peso. Porque não coloca essa mochila no chão? Alguns animais carregam um ao outro, vivem simbioticamente a vida toda... Amores eternos, cisnes monogâmico. Não somos esses tipos de animais. Quanto mais lento nos movemos, mais rápido morremos. Não somos cisnes. Somos tubarões.
Esvaziamos a bagagem porque odiamos pessoas ou a bagagem que trazem com elas?
EU, não odeio pessoas. Não sou bem uma eremita. Não sei que exemplo originou a mochila, talvez a necessidade de estar sozinha. Ultimamente, tenho pensado que precisava esvaziar a mochila. Antes de saber o que devo colocar de volta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário