expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 11 de outubro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Meu Peter Pan


Já não tinha mais aqueles olhos azuis e vibrantes, muito menos os cachos loiros e compridos. A alma inocente de criança também não era a mesma, lembrando que nem toda criança tem alma inocente.  Desde que um menino entrou voando pela sua janela, Wendy viveu as mais belas aventuras com Peter Pan, Sininho, seus irmãos e os meninos perdidos.  Enfrentaram o Capitão Gancho, o jacaré tic tac, Wendy ensinou-os a ler enquanto Pan ensinou-a voar, era como se fossem uma família de verdade; da qual Peter Pan jamais teve.
  Dizem que amores não acontecem enquanto crianças, mas com eles foi diferente. Foi mágico. O primeiro dedal de Pan foi com Wendy, assim ficariam conectados para sempre pelo primeiro beijo. Durante alguns meses Wendy e seus irmãos viveram felizes na Terra do nunca, porém o medo de nunca crescer foi mais forte e então resolveram voltar para casa, seus pais os esperavam.  Quando disse que voltaria para casa à Pan, ele ficou furioso e disse coisas que a magoou, então, Wendy e os meninos foram embora. Deixando Peter e Sininho cheios de saudade. Ele não foi porque o que ele mais temia era crescer talvez fosse porque se voltasse para Terra, Peter não teria onde ficar, afinal não tinha mãe, pai nem irmãos. Era e sempre será o filho único da Terra do Nunca! Na verdade ele tinha alguém que precisava dele assim como ele precisava dela... Sininho. A fada mais encantadora de todos os contos, cuidava de Pan igual uma mãe cuida de um filho e vice versa.
 Pan não foi embora, pois não podia levar consigo a sua melhor amiga Sininho. Porque quando crescemos deixamos de acreditar em fadas; e quando uma criança deixa de acreditar em fadas uma fada em algum lugar morre. E ele não queria que ela morresse.
  Sempre com perguntas perturbando sua mente e sonhos, será que Peter encontrou outros meninos perdidos? E Sininho, continua sendo sua fada? Ou melhor, poderá Peter ter voltado a terra e crescido?
 Desde então a janela do quarto de Wendy continua aberta a espera de um menino loiro e cheio de sonhos, que costumava entrar voando, fazendo-os sonharem juntos. Não se tem respostas quando se trata de Peter Pan a criança que não cresceu e sabe voar. Como? Quer aprender? Pense em uma coisa boa, em uma coisa boa de verdade, é só pensar em coisa boa que a gente voa. Uma coisa linda que você nunca viu, é só pensar que você vai voar. Ahh é
claro, e uma pitada de pó pirilim pipim. E se você pensar em coisa ruim? Bom, talvez você consiga chegar até o fim. Mas só talvez...!
“Ela ensinou-o a ler, ele ensinou-a voar. Amavam-se, mas ele não queria crescer...!”

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Meio termo @#$% nehuma!



-Oi, porque você está tão estranho?
-Nada, to normal. Você deve estar cismada...!
  A resposta mais difícil que a capacidade masculina permite que eles dêem. E depois ainda tem a cara de pau de falar que EU, eu não falo aquilo que sinto, que fico com meias palavras e mudo de assunto. Quando na verdade não temos um outro assunto além de eu e você!

  Um dia você me disse que a minha perspectiva em relação a você era por causa das minhas expectativas. Isso não é novidade, nem pra mim nem pra você e muito menos pros outros. Minhas expectativas são sempre grandes, ao ponto de minha perspectiva sobre o amor e felicidade aumentarem quase 1000%. Ao ponto de me magoar e voltar ao zero. Onde nenhuma expectativa me alcança.
  E se eu tiver menos me magoarei menos também? Não, não sou do tipo de pessoa que consegui viver com mais ou menos, com pouco. Ou é tudo ou nada. Meio termo não é comigo. Não acredito que da pra ser mais ou menos feliz, mais ou menos triste, mais ou menos apaixonada. Ou se está ou não.

  E se é pra ficar no meio termo, eu prefiro o nada, entende?!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Pausa para um pensamento.


-Gostaria de fazer seu pedido senhora?
 (...Preciso partir, simplesmente ir sem ter que me preocupar pra onde, como e com quem!! Sair sem ter hora pra voltar, sentar no banco da praça ou andar pelas ruas desconhecidas. Andar, andar, andar; talvez voar, assim quem sabe posso descobrir a mim mesma. Quem sabe preciso me perder pra então poder encontrar!
 Quero o diferente, estranho, avesso. Quero quebrar todas as regras e tabus. Quero o contrario do certo e o oposto do errado, pode ser? Quero verde, amarelo e azul. Rosa, branco e cinza. VERMELHO. Quero cores, muitas cores e também preto e branco. Quero amor, amar e ser amável. Quero tudo e o nada.

Sempre peço tranquilidade, mas gosto mesmo é de me descabelar. Um bom whisky, música e lágrimas nos olhos. Sou meio bossa nova, mas gosto mesmo é de rock'n'roll...)
-Oi?!
-Gostaria de fazer seu pedido agora, senhora?

-Ah sim, claro! Uma dose de whisky, por favor! Mas garçon, com duas pedras de gelo!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Em busca da terra do nunca,


Peter – Ainda não sei sobre o que escrever.
James – Escreva sobre tudo. Escreva sobre sua família, escreva sobre a baleia falante.
Peter – Que baleia?
James – Aquela que está presa na sua imaginação e doida para sair.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Sonhos Unilaterais


  Noite fria e escura, pensamentos pairam no ar e uma visita chega. Quem é? É a mesma visita de sempre, aquela que vem sem bater na porta e entra sem pedir licença. Qual o seu nome? Solidão, vai dizer que você não a conhece! É minha visita mais constante nos últimos meses, desde que você me deixou sem dizer boa noite. Quando se levantou e saiu deixando a porta entre aberta e a janela apenas encostada, como se fosse voltar logo. Já passaram quatro meses e está tudo igual. A janela não fechei, a porta não tranquei, apenas o coração que mudei, incrementando com alguns ingredientes. Uma pitada de medo, arrependimento, decepção e três gotinhas de ódio. Uma colher de desespero, meia xícara de dúvidas, um litro e meio de (des)amor. A formula preferida da minha visita, sempre me vem com um apetite voraz e devora tudo o que vê pela frente, deixando o estoque de sentimentos vazio.  
Depois de passar algumas horas ela se vai sem ao menos dizer 'Até logo otária e obrigada pelo jantar'. E eu mais uma vez sinto-me vazia e sem destino, adormeco depois de uma noite conturbada e acordo na mesma posição que deitei, sem nenhum sonho. Levanto-me tomo meu café extra forte e duas ou três torradas, passo o olho pelo jornal procurando alguma noticia sua depois procuro pela internet também, como sempre minhas buscas são sem sucesso. Volto a me deitar esperando o dia passar e leio, assito alguns seriados policiais e depois leio de novo, levanto-me como umas besteiras e vou tomar banho. Limpa e quente eu coloco minha melhor roupa, aquela que você amava. Meu pijama de carneirinho rosa e entro desta vez no seu quarto, acho que é a primeira vez nas ultimas dezesseis semanas que consigo romper a barreira ente nós e fico parada olhando as paredes pintadas de azul bebê e amarelo ouro. Seus brinquedos e ursos de pelúcia, sua estante com seus macacões, bonés e mini tenis. Lapis de cor que agora ficaram preto e branco. Finalmente olho para o berço que fiz especialmente para você, patina branca e curtinado de renda, tudo que um principe merece. Fico ali parada pensando quanto tempo essa dor irá passar, quanto tempo falta pra te abraçar e olhor seus lindos olhos pretos e cabelos loiros; sinto-me cada vez mais cansada, exausta.
 Até que uma luz entra pela  janela e invade o quarto, iluminando diretamente na poltrona onde eu te ninava, como se me dissesse para repousar-me e eu obedeço. A luz aquece minha'lma e eu fecho os olhos, imediatamente as lembranças surgem como um turbilhão. Seu primeiro chute, choro, dor de barriga, sorriso e o ultimo olhar; eu começo a soluçar e sem porder evitar desce a primeira lagrima, a segunda, terçeira e outras mil que estava guardando somente para mim, logo um sorriso invade meu coração e Deus vem ao meu encontro com você nos braços, te fazendo ninar e me diz que tudo vai ficar bem, que nos veremos em breve. Fico tranquila e a dor vai esvaindo-se até não sobrar mais uma gota; o medo some também assim como outros sentimentos ruins. E pela primeira vez a tranquilidade, a paz e a fé voltam, de mãos dadas. O amor e a esperaça estão juntos também.
 O dia chega perto do fim e com os olhos cheios d'agua desligo a babá eletronica da tomada, fecho a cortina, apago a luz e tranco a porta do quarto, sigo meu caminho até o meu quarto deito-me, rezo,  fecho os olhos e acordo assustada com tudo que sonhei.

 Sonho?

domingo, 31 de julho de 2011

Fight

 Independência, quem és tu? Por onde andas e porque nunca mais apareceu? Dizem que você é mágica e encantadora, que muitos querem mas poucos podem tê-la. A gente possui ou conquista? Compra ou ganha?
 Não sei muito sobre você e nem mesmo o seu significado, a não ser aquilo que Aurélio me contou e ele não diz muito além duas ou três linhas. Pensando bem nem tem o que dizer mesmo, acho que basta sentir.
 Deixa eu lembrar quando te senti antes...talvez quando andei de bicicleta sozinha e sem rodinhas ou então quando voei de paraglider. Ou até mesmo quando sai sozinha sem ter onde, quem e como chegar a qualquer lugar e cheguei. Ou quando eu cresci.
 Crescer significa uma coisa, indepência. Todos a queremos, ás vezes usamos outras pessoas para ganharmos com isso, ás vezes encontramos nos outros, ás vezes nossa independência vem ao custo de outra coisa e esse custo pode ser alto. Porque frenquentemente para ganhar nossa independência temos que lutar.
Nunca desista, nunca se renda.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Vai!

Me sentia tão só, mesmo rodeada de tantas pessoas. Sentia-me vazia e incompleta, como se faltasse algo ou alguém. Tudo parecia tão old e last seasion, tão preto e branco. Faltava-me cores, pessoas, sentimentos...paralvras! Aos poucos fui perdendo o encanto da vida; a vontade de acordar e ir caminhar na praia; de seguir em frente. Acho que cada pessoa que eu conheci deixou uma tristeza e levou uma alegria. E quando digo conhecer é de verdade, não apenas saber nome, tamanho, peso e idade. Mas qual é o som da sua voz, quais as cores preferidas e se coleciona borboleta.
 Acho que cheguei ao fundo do poço e isso não me parecia nada legal. Talvez seja a futilidade que tenha me deixado incrédula nos bons sentimentos ou na verdade dita. As pessoas interessam por números da conta bancaria, sobrenome e status social. Cansei! Não me interessa nada disso e sim olhares, cheiros, vozes...sorrisos.
Sinto que a vida quer voltar para mim. Novos sonhos, expectativas, desafios, vontades. É como se a coragem quisesse rir, entende?

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Quando eu crescer quero apenas ser!


Que vai ser quando crescer?
Vivem perguntando em redor. Quer é ser?

É ter um copro, um jeito, um nome?
Tenho os três. E sou?

Tenho de mudar quando crescer?
Usar outro nome, corpo e jeito?

Ou a gente só principia a ser quando cresce?
É terrível, ser? Dói? É bom? É triste?

Ser; pronunciado tão depressa, e cabe tantas coisas?
Repito: Ser, Ser, Ser Er. R.

O que vou ser quando crescer?
Sou obrigrigado a? Posso escolher?

Não dá para entender. Não vou ser.
Vou crescer assim mesmo.
Sem ser esquecer.

(Verbo ser,
Carlos Drummond de Andrade)


'Eu quando crescer quero ser tudo. Ser feliz, ser triste, ser bonita, ser feia, ser chata, ser legal, ser Mãe, Avó, esposa...Mas o mais importante, é que já sou e vou continuar sendo; porque ser é existir e quando eu deixar de ser passarei a ser fui! Enquando isso vou continuar sendo.' 

(Sou, sendo e fui ser,
Natalie Moreira)

segunda-feira, 20 de junho de 2011

O valor de uma BOA mochila


Quanto pesa sua vida?
  Imagine por um segundo que está carregando uma mochila. Quero que sinta as alças nos ombros, você as sente? Agora coloque lá todas as coisas da sua vida, comece com as pequenas: coisas de prateleiras e gavetas, as bugigangas, os colecionaveis. Sinta o peso de tudo que foi adicionado. Em seguida adicione as coisas maiores: roupas, eletrodomesticos, lençóis, lâmpadas...sua TV. A essa altura, a sua mochila deve estar bem pesada e ficará mais. Sofá, cama, mesa da cozinha...tudo que estiver lá. Seu carro, coloque-o lá. Sua casa, seja um apartamento ou uma casa de 2 andares, quero que coloque naquela mochila. Agora, tente andar. É bem difícil, não é?! É isso que fazemos todos os dias. Nos envergamos com tanto peso até não conseguir nos mover e não se enganem: MOVIMENTO É VIDA. Agora, vou incendiar sua mochila, o que quer retirar dela? Foto? Fotos são para quem não se pode lembrar. Tome um memorizador e deixe as fotos queimarem. Na verdade deixe tudo queimar e se imagine acordando amanhã...sem nada. É bem tentador, não é?!
 Você tem uma nova mochila. Só que desta vez, quero que coloque pessoas nela. Comece com alguns conhecidos casuais, amigos de amigos, pessoas do escritório. E ai, passe as pessoas de confiança com os seus segredos mais íntimos...seus primos, tias, tios, suas irmãs, irmãos, pais, e finalmente, seu marido ou esposa, seu namorado ou namorada. Coloque-os dentro dessa mochila. Não se preocupem, não vou pedir para que ateiem fogo. Sinta o peso da mochila. Não se engane, seus relacionamentos são os maiores componentes em sua vida. Você sente as alças cortando seus ombros? Todas essas negociações e discussões, segredos e compromissos. Você não precisa carregar todo esse peso. Porque não coloca essa mochila no chão? Alguns animais carregam um ao outro, vivem simbioticamente a vida toda... Amores eternos, cisnes monogâmico. Não somos esses tipos de animais. Quanto mais lento nos movemos, mais rápido morremos. Não somos cisnes. Somos tubarões.
Esvaziamos a bagagem porque odiamos pessoas ou a bagagem que trazem com elas?
EU, não odeio pessoas. Não sou bem uma eremita. Não sei que exemplo originou a mochila, talvez a necessidade de estar sozinha. Ultimamente, tenho pensado que precisava esvaziar a mochila. Antes de saber o que devo colocar de volta.

domingo, 12 de junho de 2011

Formula Quase Perfeita

Não quero um homem com H maiúsculo, quero um homem que me faça sentir M maiúscula, quando na verdade sinto-me pequena dentro de 1,69 m de altura. Quero um homem que me faça querer beija-lo quando estivermos brigando, que me faça querer abraça-lo na crise da TPM, que me faça dizer adeus e ir correndo deitar no seu colo e pedir cafuné. Não quero o homem mais forte porque quero surpreende-lo ao abrir a tampa do vidro de conservas, nem o mais inteligente porque quero ajuda-lo e ensina-lo também, nem o mais bonito porque além de dar um trabalhão ele não pode me achar feia com moleton, pantufas, rabo de cavalo, óculos e sem maquiagem.
 Ele tem que ter um sorriso doce, sincero e terno; e um malicioso, misterioso e safado. Tem que ser tímido e sem vergonha, ao mesmo tempo, assim eu não me sinto uma boba e tarada perto dele. Tem que ter brilho nos olhos ao me olhar, dizer coisas bonitas ao pé do meu ouvido e ter orgulho de mim. Saber fazer arroz e feijão para juntar com a única coisa que eu sei fazer, rocambole de carne e queijo. Tem que se calar quando eu falar e me calar quando estiver falando demais; ser cheiroso, porém ter cheiro de homem quando estiver suando. O cabelo e a roupa arrumados esperando-me desarrumar.
 E quando eu estiver bebendo tem que me acompanhar, mas quando eu estiver bêbada me levar embora com carinhos e cuidados.Tem que ama-lo antes de amar a mim e me amar acima de tudo. Tem que me completar e bagunçar. O mais importante é ser completamente diferente de você, apesar destas e todas outras palavras serem baseadas em você.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Liberdade

 Hoje eu tive um sonho muito estranho. Sei lá, uma mistura de cores fortes e sentimentos fracos, confuso! Tudo meio vermelho, preto e branco. Sonhei com você, com nós dois juntos nos divertindo e fazendo planos. Como se fossemos eternos e feitos um para o outro, isso me fez sentir o vermelho!
 Derrepende mudou tudo e não era eu ali, era outra pessoa ao seu lado te fazendo carinho, beijando a sua boca, sussurrando ao pé do ouvido e  fazendo você esquecer de mim, de nós. Aquele momento o preto invadiu a minha mente e sonho, acabando com tudo. Com a esperança e ternura que ainda restava. GAME OVER.
Mas como nem tudo é dor e sofrimento, graças a Deus. Eu desapeguei, isso mesmo desapeguei de você. De seus beijos e abraços, de suas qualidades e principalmente de todos os seus defeitos, que me encantavam. Comecei a abrir a os olhos e ter sonhos acordada, muito mais coloridos. Parei de fantasiar que um principe encantado existe e agora eu sei que não depende de você ou de qualquer outro homem interessante que aparecer na minha vida, a minha felicidade depende apenas de mim mesma. Do meu próprio estado de espírito. Foi quando comecei a sonhar com o branco, amarelo, rosa, todas a cores do arco iris e os sentimentos começaram a ficar fortes e firmes.  Amém!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Fellings are fellings


São 4:05 da manhã e o galo já canta querendo me acordar pra vida. O meu telefone toca quase todos os dias por volta das 2:00 e gosto muito do sentimento que assola meu coração quando escuto a voz dele.  É algo que eu não posso dominar, um sentimento desconhecido, novo e (in)comum. Aí ele me chama de pequena e sinto como se tivesse voltado a ser criança procurando um colo, um cafiné, proteção; olho pro lado e não vejo nada além do meu travesseiro e ursinhos de pelúcia. SOLIDÃO.

 Aquele famoso pensamento vem e abrange minha mente: como posso me sentir sozinha com um mundo tão vasto e cheio de PESSOAS? É tão grande. Bonito. E colorido. Mas nem sempre é tudo verdadeiro, o mundo ta tão cheio de pessoas e faltando sentimentos bons, vibrações positivas e palavras de ternura . As pessoas são como robôs; fazem e dizem tudo o que já está programado, ensaiado e o inesperado, como faz? Não faz, simples assim. Esquece e é deixado de lado, excluido. DELETA.
 Quero tudo ao contrário. Quero o inesperado. O diferente. O estranho. O incomum. O desconhecido. O que queria mesmo é um beijo, um abraço e um suspiro dobrado de amor sem fim! Quero sentimentos verdadeiros de amizade, ódio, dor, alegria, prazer não importa qual seja tem que ser verdadeiro e completo. AMOR.
 Pode ser ou tá dificil?

terça-feira, 31 de maio de 2011

Be the Change

 Contos de fadas, Cinderela,  príncipes encantados e finais felizes são coisas para acreditar quando ainda é inocente. Depois passamos a ver que nem todo sapo vira principe, nem toda bruxa é velha e feia e nem todo final é feliz.; com o tempo você aprende que tudo tem um começo, porém na maioria das vezes não tem um fim.  A questão é depois que você descobrir que tudo não passa de mera fantasia e ilusão da sua própria mente brilhante, as coisas meio que perdem o sentido e o encanto. E muitas vezes você acorda e descobri que o seu príncipe virou sapo e foi cantar em outra lagoa, se é que você me entende. 
  Às vezes eu me pego pensando quando foi que perdi a minha inocência. Sei lá, em que momento eu passei a enxergar o mundo como ele realmente é; tem uma hora que a vida começa a bater na gente e você se pergunta por quê. Aí decide se defender e bater um pouquinho também. E vai colocando um monte de máscaras, com isso acaba deixando de sentir e de passar por algumas coisa que eram tão legais antes.
 As coisas simplesmente mudam de lugar, nome, cor e sentido conforme a estação de cada coração. E hoje, eu acho que mudei, não sou mais a mesma da noite e do dia da minha estação passada. Ah e muito obrigada por você ter contribuído, afinal toda mudança é tão negativa tanto quanto positiva e sua parte foi cumprida com êxito.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Lost

 Desde de pequena escutei dos adultos que me rodeavam o seguinte ditado: é preciso perder para dar valor. Não concordo nenhum pouco e ainda digo que se fosse assim viveria só para perder, não para ganhar. Imaginemos, que pais grávidos esperaram nove meses para dar a luz a seu  filho e para dar o valor que ele merece terão que 'perde-lo', justo né?! Ou então, você acabou de ganhar aquele brinquedo que estava almejando há tempos e ele simplesmente quebra, mas lembre-se isso aconteceu apenas para você dar valor a ele. Então nada de choradeira, sorria, você acabou de aprender a mais errada lição no meu conceito.
  Nada disso, não precisamos perder para dar valor e sim amadurecer. A questão é que o ser humano ou seja lá quem teve a (in)feliz ideia de inventar esse ditado apenas tentou amenizar os estragos que a perda nos causa e cá pra nós, mesmo com tantas desculpas e pezares ela continua ali lembrado de outras maneiras sua existência.
 Conformar-se é a solução para muitos e para outros poucos, como eu, é apenas um gás a mais para conquistar as supostas coisas impossíveis. Até porque segundo a música de Charlie Brown Jr : " O impossível é só questão de opinião!". Na mais pura verdade acredito que cada coisa tem seu tempo de acontecer, ou seja, não se deve deixar uma coisa importante nas mãos de quem não vai ter responsabilidade para cuidar porque nem sempre se pode consertar. Ou se é maduro para encara-la ou então você vai voltar correndo para os braços de quem sempre te protegeu e chorar até que o medo acabe e você possa voltar ao conto de fadas. Onde tudo é fantasia e se quebrou você cola, se rasgou você costura e se perdeu você compra outro.
  Mas um coração quebrado jamais será colado, rasgado não será costurado e perdido, não vai ser comprado. E uma dica, cuide do seu que eu vou cuidar do meu.

domingo, 22 de maio de 2011

Terceiras intenções

 Ultimamente ando meio emotiva demais, chorosa demais, carinhosa demais e sem vontade. As coisas andam tão misteriosas e sem sentido que sinto preguiça de tudo, até de mim mesma. Talvez seja a falta de carinho de certas pessoas, o excesso de medo, falta de compreensão e o excesso de falsidade. 
 A falsidade assola o coração da sociedade, as pessoas brigam e discutem por coisas inúteis, coisas sem sentido. Te chamam de amiga,  de querida e de amor, mesmo tendo vontade de te chamar por outros nomes. E o porque fica sendo repetido pela voz da indignação na sua cabeça! Tudo isso não passa, também, da inveja. Querem o que é seu e o que não é também. Fazem de tudo para conseguir e quando conseguem simplesmente jogam na ultima gaveta do armário e pronto, mais uma "conquista".

 Por fora são pessoas lindas, admiráveis e sorridentes. Porém se existisse raio x de sentimentos ira ser visto nada muito agradável, nem mesmo para a pessoa que sente.
Mas no fundo é tudo falta de amor. Amor ao próximo, ao desconhecido, ao conhecido e principalmente amor próprio. Decepções familiares, de amigos e a mais comum de amor. Mas ta tudo muito errado, porque amor não deveria machucar e ser egoísta; amor tem que ser libertador, tem que ser amigo, companheiro e principalmente tem que ser verdadeiro.
 
Comigo o buraco é mais em baixo, as coisas não funcionam tão fácil assim, ou seja, não quero meias palavras, meios gestos, meios beijos! Quero tudo por inteiro, tudo verdadeiro, tudo completo e se não for assim, não é pra mim.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Acasos

 Outubro, mês das bruxas e fadas, mês da magia. Foi quando  o meu coração foi enfeitiçado por aqueles olhos negros e profundos, o cabelo também negro fazendo parte de um conjunto perfeito de olhos, cabelos e a barba mal feita que quando roçava em minhas bochechas. Lembro-me das primeiras palavras ditas como se estivessem sendo repetidas por ele trinta e oito horas por dia "Oi,  posso ficar te olhando? Eu juro que se você não quiser não vou falar nada, quero apenas admira-la!". O sorriso correu pelo meu rosto espontâneamente, com uma leve gargalhada tentando disfarçar o quão admirada eu estava e foi naquele momento que eu me apaixonei por ele. Naquele dia, nós conversamos a noite toda e um pouco da madrugada também, as horas passaram sem que nós percebecemos. No dia seguinte nos encontramos novamente no mesmo lugar, depois de algumas horas conversando aconteceu o que eu mais temia O PRIMEIRO beijo, era como se eu nunca tivesse beijando antes. Um beijo diferente cheio de carinho, malícia, pressa e uma sensação de que só tinha eu e ele naquele momento, o resto do mundo tinha parado e o céu estava incrivelmente estrelado.
 Tudo foi lindo durante os seis meses que passamos juntos. Idas ao cinema, praia, festas, restaurantes tudo parecia que estava apenas nos esperando. Na verdade, acho que minha vida estava esperado ele aparecer para ganhar um pouco de sentido e alegria. Até que...
 Como toda história tem seu THE END, a minha também teve no dia 06/04/2011 quando nos vimos pela ultima vez.  Não sei o que aconteceu, se ele vai voltar um dia ou se nunca mais vou ouvir sua voz. Sei  apenas que ainda espero na porta da minha casa as 18:00 horas com a promessa de que nós éramos eternos e que ele nunca iria me abandonar.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Segundo Plano

 As vezes, temos que abrir mão de nós, das nossas vontades e sonhos para que outras pessoas possam realizar os seus. Isso não quer dizer que os nossos não sejam importantes, eles são e muito. A diferença é que, eu, sempre me ponho em segundo plano esperando que alguém se importe comigo e ceda pra mim...mas isso raramente acontece. E mais uma vez tenho que sorrir, fingir que estou bem para que as pessoas não pensem que eu sou egoísta, quando na verdade passei a minha vida ou o inicio dela abrindo mão de mim mesma, até dos meus defeitos eu abro mão.

Lembranças

Imaginação volta aqui, menina. Onde pensas que vai tão cedo? Não são nem 00:00 e você já está esvaindo-se? Ora, deixa de preguiça e vamos trabalhar. Não estou com sono, nem com vontade de ver TV e se eu parar de escrever vou querer ligar pra ele, então ajude-me por favor. Vou contar-lhe umas coisas quem sabe assim o tempo não passa e fica tarde pra ligar?! HAHAHA'
É até engraçado eu, logo eu, falando de horários. Se ontem mesmo eu liguei pra ele as 02:15 da madrugada, isso mesmo...não sei o que me deu, talvez seja medo de perde-lo! Mas como perdemos algo que nunca foi nosso? Não sei e se eu descobrir te conto! Mas enfim não quero fazer isso hoje, acaba virando rotina e eu acostumo em ligar. JÁ SEI!! É isso, como não pensei nisso antes...
COSTUME. COS-TU-ME. C-O-S-T-U-M-E.
Entendi tudo agora. Eu acostumei com o olhar dele penetrando minha'lma, acostumei com a risada (a mais engraçada até hoje, foi dele quem deu), com o perfume, o sorriso, as brigas que logo acabam em beijos e abraços. Ahhh os beijos, aqueles lábios macios e quentes demonstrando o quanto ele me quer, ao ponto de pedir para levar-me com ele e apesar dos meus 1,72cm de altura eu me sinto como uma menina inocente, mesmo com pensamentos repletos de malícia. E a menina permanece até quando me chama de minha neurotica
 e passa a mão pelos meus cabelos ondulados.
Imaginação, pode ir embora agora! Você voltou e não ajudou em nadica de nada, pelo contrário só me fez pensar, ter ainda mais vontade de ligar e ir correndo ao encontro dele, malvada. Agora eu fico aqui deitada na cama sozinha com meus pensamentos mil, imaginando como seria se todos os verbos ditos antes ainda estivessem no presente, como estiveram nos ultimos seis meses ao invés de serem o meu passado, ha quase dois meses.